O pássaro enfeitava a varanda,

O seu canto era  muito admirado,

A todos dava boas vindas,

Mas vivia ele ali  tão isolado...

 

Olhava triste para o céu límpido,

Querendo alcançar a  sua liberdade,

Tristonho,cantava ainda  mais afinado,

Com  lindos acordes de docilidade...

 

Quanta melancolia seu cantar dizia!

Como  cantar com esta monotonia?

Você não canta não,chora nesta gaiola!

Como pode viver todo dia nesta agonia?

 

Não vive,sobrevive nesta prisão passarinho,

Chora cantando sua liberdade perdida,

Seu  dia  de glória chegará lindo canarinho

Terá em breve a sua alegria devolvida...

 

 

Sandra Galante.

Piracicaba-SP

Brasil.

 

 

 

 

O Pássaro e a gaiola...